Inflação: IPC-3i acumula 9,6% em 12 meses

282

O Índice de Preços ao Consumidor da Terceira Idade (IPC-3i), que mede a inflação da cesta de consumo das pessoas com 60 anos ou mais, ficou em 2,72% no primeiro trimestre de 2016, acumulando 9,6% nos últimos 12 meses. Em relação ao trimestre anterior, entre outubro e dezembro do ano passado, a taxa foi 0,15% menor, ante os 2,87%.

Os números foram apresentados nesta terça-feira (12) pelo Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getúlio Vargas. O acumulado ficou acima dos 9,37% medidos pelo Índice de Preços ao Consumidor – Brasil (IPC-BR), também em 12 meses.

O principal responsável pelo recuo da taxa trimestral foi o grupo de despesas com transportes. Quando comparado os números do último trimestre de 2015 com o primeiro de 2016, a taxa de inflação caiu de 4,52% para 2,87%, atingindo 1,65% de diferença.

A gasolina registrou alta de preços de 2,55% nos três primeiros meses deste ano, número consideravelmente inferior aos 9,78% registrados três meses anteriores. Significativos 7,23%.

Outros grupos que influenciaram no recuo do IPC-3i

Outros dois grupos de despesas que influenciaram no recuo do IPC-3i foram o da habitação e do vestuário.

No grupo do vestuário, o recuo foi de 1,99% para 0,27%, diferença de 1,72%. Apesar de maior do que a registrada pelos transportes, vale o registro do impacto que cada um exerce no dia a dia do público analisado.

Já a habitação, um delicado recuo de 0,20%: baixou de 1,75% para 1,5%.

Alimentação se manteve estável

Os alimentos se mantiveram estável, com taxa de inflação de 5,37%.

* É permitida a reprodução parcial ou total deste material, desde que citada a fonte com link.

Comentários

Comentários